quinta-feira, 28 de outubro de 2010

GENTILEZA POUCA É BOBAGEM

Está acontecendo uma campanha aqui em BH sobre a gentileza urbana. “Pratique Gentileza”, diz o bordão da peça publicitária no rádio, sempre seguido de um exemplo de bons modos e cordialidade dito por algum famoso de sempre ou do momento. A prefeitura já havia iniciado antes com cartazes nos ônibus em uma campanha “Gentileza Urbana É...”, que até lembra um antigo álbum de figurinhas chamado “Amar É...”  Eram uns bonequinhos de menino e menina com uma frase de amor romântico em cada figurinha.

Tudo bem que a correria da vida moderna tira o foco das pessoas de se voltarem para as outras pessoas. Uma guerra surda, muda e cega se trava todos os dias nas ruas para ver quem chega primeiro, quem faz primeiro, quem vence primeiro, mesmo não havendo pódio para ninguém. Mas, vem cá, gente: precisávamos chegar a este ponto? Puxa vida, eu não sou desses chatos da nostalgia, mas sou lembrado pela minha consciência teimosa a toda hora que uma das primeiras coisas que aprendi foi ser educado, gentil e cordial. Minha mãe sempre dizia: “não maltratar para não ser maltratado, quem planta colhe e dependendo do que planta e como cuida vai colher bons frutos ou erva daninha. Fazer o bem sem olhar a quem. Gentileza gera gentileza.” Esses valores foram se entranhando no meu cotidiano de tal forma que nunca mais precisei seguir mandamentos depois de velho para reaprender, a despeito de todos os percalços por que passei durante a minha vida. Já tive aqueles momentos de mandar tudo e todos para aqueles lugares inóspitos, inusitados e inconcebíveis mas não o fiz.

Além de ensinamentos tinha regras. Acordava de manhã e se não tomava a bênção ou desejava bom dia ouvia o seguinte:
- Por acaso você dormiu comigo?
Meu pai, quando dava qualquer coisa, por insignificante que fosse e a gente não dizia “obrigado” ele se antecipava
- De nada, seu malcriado!
E tem uma que se tornou inesquecível, apesar de hoje eu não exigir o mesmo dos mais novos: o respeito aos mais velhos a partir do tratamento. Quando ele chamava para alguma coisa e a gente respondia: “o quê? A réplica era rígida:
- O que, não! Senhor!

Tá certo que a nossa vida é uma hierarquia desde a hora do nascimento até o fim, há quem manda e quem obedece o tempo todo, mas a cordialidade existe não é para equilibrar estas relações? Além do mais, não é agradável receber um desejo de bom dia, um muito obrigado, dá licença, como vai e, por favor?

17 comentários:

Mulher na Polícia disse...

Quase morri de rir outro dia, Cacá, o colega berrou para o carro na via ao lado "PARA ESSE CARRO AÍ" e não sei o que deu nele assim de repende que acrescentou "por favor" Muito engraçado!

Precisavamos de um pouco de gentileza no relacinamento aqui mesmo na Internet. Às vezes a gente lida com cada situação...

Um beijo, querido.

Celina disse...

Cacá muita paz para vc, li o seu post achei graça, lembrando a minha mãe quando ela dizia que estas frase cabem em toda parte. Muito obrigada, com licença e desculpe. deve ter sido a mãe que ensinou a ela eu ja ensinei para os meus filhos, respeitar os idosos, as pessõas com deficiencia e pedir sempre desculpas todas as vezes que magor alguem. abraços Celina

Chica disse...

Realmente as coisas não precisavam chegar ao ponto ce fazer CAMPANHAS.
Pra mim isso vem de berço...Mas, que tá faltando ,TÁ!!

abração,chica

Marcio Rufino disse...

Querido companheiro do Benfazeja,

Vim agradecer seu carinho e prestígio no site do Benfazeja, conhecer este maravilhoso blog, além de parabernizá-lo por sua envolvente e sedutora escrita e convidá-lo a visitar os nossos
http://emaranhadorufiniano.blogspot.com
e
http://po-de-poesia.blogspot.com

Estou te seguindo

Grande abraço!!!

Tais Luso disse...

Muito bom teu texto, Cacá. Gentileza é raro; posso dizer que isso já ficou para as gerações passadas onde tudo era mais calmo e a educação fazia parte do currículo da vida.

Lembro que tínhamos de cumprimentar os amigos de nossos pais; dar Boa Noite; levantar para dar nosso lugar aos mais velhos; aprendemos a respeitar nossos professores... Gentilezas sempre deixam a vida mais leve, as coisas mais humanizadas.
Hoje o negócio nivelou, e bem por baixo. E vai ficar pior, pois é questão de educação, o que mais falta nos dias atuais. Basta andar nas ruas de nossas cidades, cada encontrão!!!

Beijo
Tais luso

Toninhobira disse...

Sim senhor, bons tempos Zé.Bela lição era do voce colhe aquilo planta, e ai eu morria de medo plantar coisas ruins.Assino que gentileza pouca é bobagem.Benção minha tia e meu tio, ficam com Deus!!! Pois é era assim e em algum lugar se perdeu, agora vem as campanhas para resgatar o que deveria ser intriseco em cada um.Um abraço de paz.

Zélia Guardiano disse...

Assino embaixo, meu querido Cacá!
Apesar de estar já com meus 65 anos, não sou exageradamente saudosista, mas fico horrorizada, muitas vezes, com a falta de gentileza que grassa por aí...
A cordialidade, o respeito, cabem em qualquer lugar, em qualquer situação.
Para ilustrar, quero contar-lhe o que presenciei, recentemente:
Estacionei o carro em frente a uma livraria que fica ao lado de uma escola de segundo grau. Quando eu descia, também descia de um ônibus, algumas alunas da referida escola. Involuntariamente, uma delas pisou no pé de outra. Amigo Cacá, o que se ouviu da boca da "vítima", foi de estarrecer qualquer mortal. A garota, de seus dezesseis anos, começou a gritar palavrões e mais palavrões, para constrangimento de todos os transeuntes.
Fiquei muito triste, muito apreensiva... Onde tudo isso vai dar?
Tive a felicidade de estudar num colégio de freiras e, quando ouço críticas a respeito da rigidez que aplicavam na educação, sinceramente, fico triste. Acho que foi uma benção, aquele rigor.
Em casa também tive normas, regras, desde a primeira infância e não reclamo disso não: pelo contrário, sou grata a meus pais.
Com meus três filhos, naturalmente, fui mais branda: os tempos já eram outros. Assim mesmo, graças a Deus, consegui repassar-lhes meus valores, aqueles que recebi em casa e na escola.
Bem, meu querido, se você me der corda, escrevo até amanhã...rs...
Para encerrar: parabéns pelo importante e necessário post!
Imenso abraço

LILIANE disse...

Cacá.
meus pais também eram muito exigentes com essa questão da gentileza e da educação.
só me fez bem ser educada.
hoje passo isso pra os meninos aqui em casa, e dá resultado.
beijinho

Lua Nova disse...

Vc disse tudo, meu amigo. Lembro bem desse tempo. Ser educado era natural e respeito aos mais velhos também. Agora é tio pra cá, tia pra lá e lá se foi o respeio e a educação. Enfim, aqui em casa não. Ainda me esforço pra fazer dos meus filhos pessoas com educação. E eles não perdem nada por isso, ao contrário, as pessoas ficam felizes com a educação e a gentileza e as portas se abrem com mais facilidade.
Quem dera todo mundo pensasse como vc. Que é que custa um bom dia, boa tarde, obrigada e até logo?
Beijokas.

Solange disse...

gentileza....
que delícia a vida com esse predicado...

sabe que costumo dizer que se a gente começar a praticar, muda pelo menos nosso escritório, o quarteirão, os relacionamentos familiares... quem sabe assim a gente não estimula um pedacinho do mundo a ser mais gentil ??!!

belo texto, me fez ter vontade de aumentar o diâmetro da minha gentileza... risos...

parabéns !!!

beijo

Adh2bs disse...

Ah, o bom e velho respeito! Não ocupa lugar e torna o dia mais ameno... Outro dia no metrô, convidei uma mocinha escarrapachada num dos assensots a oferecer o lugar p/ uma provecta senhora que acabara de entrar. E tive que ouvir a seguinte pérola: "mas este não é lugar reservado"... Que vem a ser umas benditas cadeiras azuis reservadas a idosos, deficientes e gestantes, com plaquinha ao lado indicando a "lei" que obriga a cedê-las! Santo Deus!!! Precisa de uma lei pra isso? E se estiver tudo ocupado a sacripanta criatura não pode ser simplesmente gentil? Pra encerrar a história, fui obrigado a responder que ela (a mocinha) também tinha um lugar reservado: no inferno! Enfim, não adiantou nada mas valeu a cara de interrogação da folgada.
Abção, ótimo final de semana.
Adh

Mari disse...

Oi meu querido....

Você é pura gentileza viu?
Bom final de semana.
Um beijo

Elayne C.A. disse...

Mas ainda existe muito isso..Eu confesso que não exijo de meus filhos nem a benção, nem a senhora..mas " obrigado, por favor, como vai, bom dia a todos, boa tarde, boa noite, muito prazer em conhece-lo.."isso sim exijo e eles sabem muito bem, graças a Deus!

Web Statistics