quarta-feira, 25 de agosto de 2010

O HOMEM FINANCIADO


“E ainda por cima...
Tem que pagar prá nascer
Tem que pagar prá viver
Tem que pagar prá morrer...”
(Trecho da música Pare o Mundo que Eu Quero Descer, de Silvio Brito).

A dívida nasceu no mesmo tempo que inventaram o dinheiro. O que faz com que uns tenham dinheiro e outros não tenham constitui a própria história da humanidade. Não daria pra falar aqui numa simples crônica de mais um endividado entre milhões de pessoas pelo mundo. Mesmo que a gente não possua aquelas dívidas de arrancar os cabelos, não há como escapar dos compromissos financeiros que nos acompanham do dia do nascimento até a morte. E nem estou falando das dívidas interna e externa de cada país. Essas a gente paga, paga, paga e continuará devendo por todos os séculos e séculos, amém.

Fiz uma imagem mental de minha árvore genealógica e gostaria bem de saber desenhar para ilustrar ricamente o assunto. Ricamente no sentido figurado, pois ela terá muito poucos galhos pendendo para o chão pelo peso da fortuna que eventualmente algum ancestral meu tenha possuído. O meu caráter atávico não diz muito a respeito de riqueza material. Só se for um atavismo assim de umas dez gerações para trás. Algum avô muito antigo que tenha sido um áulico de palácio em algum lugar de Roma, de Portugal ou um rei africano muito antes de começar o processo de escravização lá por aquelas bandas.

O meu pai pagou para mim em prestações o hospital, a escola, o supermercado, a farmácia e o açougue para me sustentar a infância. Tudo pertencia à empresa onde ele trabalhava e não tinha direito a inadimplência, pois era descontado na fonte, mês a mês, tal como o leão da receita federal faz hoje com o imposto de renda dos assalariados. Cresci e arranjei logo um emprego para ajudar no restante da caminhada. Família enorme, dinheiro curto, a gente tem que dar os pulinhos logo cedo. Estudei em escola pública e particular, o que não quer dizer que eu não pagasse pelas duas. Pagar para morar e comer, é uma dívida que a gente considera natural (desde que tenha dinheiro). Ou não considera natural se for um ilustre membro da elite representativa dos poderes legislativo, executivo ou judiciário. Nesse caso é natural eles não pagarem e é natural a gente pagar por eles. Só mais uma dívida que nem levamos em conta.

A seqüência nem é preciso falar dela, pois depois que se tem filhos a dívida vai passando pra frente. Mesmo se você for rico e deixar uma fortuna para eles, em algum momento há a relação de dívida. Se não for de sua prole, vai ser de quem for trabalhar para ela e assim sucessivamente.

Portanto, me considero um homem absolutamente financiado. Em suaves prestações, vou pagando cada parcela do meu empréstimo eterno com esforço, ora sob protestos, mas com alegria também.

12 comentários:

Chica disse...

Putz e é assim mesmo...Sem grana, não vamos nem até o primeiro ventinha,rsrsr abraçao,tudo de bom,chica

Geyme disse...

Vixi, é complicado mesmo... dizem que somos senhores de nossas escolhas (aliás, Niezstche disse isso), e embora concorde, a questao de PAGAR está fora do quesito "escolher", nao resta outra, acho que a primeira frase que aprendemos dizer, na infancia é: "Pai, me dá dinheiro?" e quando adultos, a gente paga, paga e paga, mas continua endividado, até depois da morte, quando outros ainda devem assumir suas contas! É mole? Quem inventou esse sistema capitalista???
Mais uma postagem inteligente e realista!! Aquele beijo, Cacá!!!!!!
ahhh, uma pergunta e desculpe minha ignorancia, mas.. quem é JLSA??? (Tenho até medo de perguntar, pq deve ser alguém tao obvio que só eu nao sei, ou um segredo que vc jamais revelará!!) rsrsrsr

Celina disse...

Bom dia cacá , essa é estória de quase todos os braseleiros,honesto desse país.Gostei das fotografias, conhecí a sua familia, interessante foi a conhecidencia, eu apresentei alguns menbros da minha familia e vc tambem, sábado próximo eremos nos reúnir para comemorar os aniversariantes do mes de agosto só de netos são oito juntando os noivos e namoradas dos mesmos. Vai ser mais uma noite musical. abraços amigo. A sua crõnica está ótima como sempre. Celina.

Marliborges disse...

Cacá, o problema são os juros do finaciamento, ih, meu amigo a história é longa, hehe. Bjsssssssssss

Respondendo a sua pergunta: Vc não conseguiu acessar aquele post, porque foi apenas um teste, ele não existe mais, eu o exclui. Talvez hoje não faça mais parte da listagem. Não sei qual é o comportamento do Blogger nessas situações. bj

Misturação - Ana Karla disse...

Mas não é que é assim mesmo!
Uma vida inteira de financiamentos e deixando como herança.

Bom dia Cacá!

Xeros

pensandoemfamilia disse...

Não há escolhas, ou paga-se ou deve-se, mas como vc diz uma geração acaba sendo devedora da outra. Faço aqui a analogia das lealdades familiartes, que muitas vezes perseguem os membrfos familiares de geração em geração.
Assim, caminha a humanidade.
bjs

Toninhobira disse...

Sabe Zé bem parece com a musica do Pedro Pedreiro do Chico, que criou um filho para esperar tambem. Aqui criamos filhos para serem fianciados tambem, nesta eterna roda.O pior de tudo ainda ´pe a gente financiar e pagar esta usura destes que se locupletam no poder. Este nao tem preço. Meu abraço mineiro amigo.

Mari disse...

Oi cacá....

Cheguei para fazer parte do seu clube de individados...querendo ou não!
Realmente...é a vida!

Beijos

Sandra disse...

OLA VIM TE VER. APROVEITO TBÉM PARA CONVIDAR A VISITAR O TURISMO RURAL DE SANTA CATARINA. SE AINDA GOSTAR CONTO COM O SEU COMENTARIO LÁ NA ALDEIA. É SO SEGUI O LINK. AINDA TEM A POSTAGEM DE HOEJ.
CARINHOSAMENTE EU TE AGRADEÇO A VISITA.
http://sandrarandrade7.blogspot.com/
SANDRA

´Flor* disse...

Bom Dia*Cacá,fiquei feliz por tudo,link,presença lá em casa e dai já virei uma deficitária,rsrsrs
Muito inteligente esta crônica..Reflexiva.Acredito que sou uma deficitária,financiada pela vida fora.Mas sempre alguns juros vamos acumulando nas realizações das prestações de contas.Sucesso.Bjuss\Mil\Flor*

Jussara Christina disse...

Bom dia amigo!
Retribuindo sua linda visita no meu cantinho.
Amei. Fico feliz sempre que conheço mais um "escrevedor" e qdo é um homem fico mais encantada, tendo em vista a coragem masculina de se expor assim, admiro muito isso!
Estou te seguindo.
Abraço.

Web Statistics