quinta-feira, 17 de junho de 2010

PALAVRAS CRUZADAS

As palavras cruzadas entraram em minha vida de muitas formas. Uma foi através de ordens expressas de palavras que cruzaram meus caminhos, ora pela boca da mãe, ora do pai e ai de quem não obedecesse. Depois, dos meus tantos patrões e patroas a quem me submeti por muito tempo. E também por meio das regras. Tem umas regras que mesmo escritas, de vez em quando é preciso alguém chamar a atenção do outro, seja pela memória, seja pela obediência. Senão, como disse o glorioso Chico: “qualquer desatenção, faça não. Pode ser a gota d’água.” São as leis de obrigação.

Já as Palavras Cruzadas do passatempo de revistas começaram a me acompanhar desde muito cedo. Eu gostava de caça palavras. A gente costumava disputar quem encontrava mais palavras naquele mosaico de letras com elas escondias em diagonal, vertical, horizontal e de trás para frente. No entusiasmo da revista eu passei a fazer as diretas do nível fácil, daí para o médio depois de um bom treino. Até chegar ao nível desafio difícil.

Não posso dizer que Drummond (o Carlos) não deixou umas palavras para mim. O Dr. Alexandre Drumond era um psiquiatra lá na minha Itabira. Um primo de segundo ou terceiro grau do Carlos. Foi se distanciando o parentesco e o sobrenome acabou perdendo um “m” no meio do caminho. Deve ser por causa das pedras que havia nele. Mas não perdeu-se o dom da palavra na família. Ele, o médico, produziu uma boa obra no campo da literatura psiquiátrica.

Quando conheci o Sr. Alexandre Drumond, seu filho, eu ficava impressionado com a sua destreza em fazer as difíceis. Ele já estava tão viciado que comprava uma revista e preenchia apenas uma coluna de cada página. Procurava a definição mais difícil que havia e fazia somente ela, pulando para a seguinte. Depois ia depositando aquilo num enorme saco plástico ao seu lado. Ele tinha uma espécie de gangrena numa das pernas e já não andava mais. Passava o dia fazendo palavras cruzadas. Muito tempo depois, eu já morava em outra cidade e fui comunicado de seu falecimento. Só pude ir à missa no sétimo dia e ao visitar as suas irmãs naquela casa de solteiros, a mais velha estava fazendo o bota fora de seus pertences. Ele tinha sido o único homem da casa e não havia nada que elas quisessem guardar. Eu ajudando na tarefa me deparei com aquele antigo saco, agora completamente lotado para ser jogado no lixo. Ganhei de herança e nunca mais parei. Demorei uns dois anos para fazer todo o estoque mas aprendi a dominar a técnica. Hoje não fico mais sem uma.

________________________________________________________

O QUE SE FALA POR AÍ:

- Segundo o professor Ian Robertson, do Trinity College de Dublin, exercícios cerebrais como as “palavras cruzadas” ou o “Su Doku” (um jogo matemático de seqüências numéricas) são vantajosos para manter a memória, a primeira parte do cérebro a revelar uma quebra com o avanço da idade. A idéia é exercitar o cérebro e fazê-lo voltar a funcionar como na juventude. (http://www2.uol.com.br/cruzadas/pcssaude.htm)

- As palavras cruzadas, na percepção de muitos educadores, tornam as aulas mais leves e divertidas, distraindo e ensinando os estudantes ao mesmo tempo. As novas palavras e expressões contribuem para a melhora do vocabulário, ajudam a aperfeiçoar a ortografia e desenvolvem o raciocínio e a memória. (http://www.escolacantoverde.com.br/modules/news/article.php?storyid=21)

- Perry Bartlett, professor do Instituto do Cérebro da Universidade de Queensland, disse que exercícios físicos e mentais ajudam a criar novas células nervosas, mantendo o cérebro funcional e impedindo doenças como o mal de Alzheimer e Parkinson. Sexo, palavras cruzadas e uma boa corrida podem ajudar a impedir demência e outros problemas degenerativos do cérebro ao estimular novas células. (http://www2.uol.com.br/cruzadas/pcssaude.htm)

7 comentários:

Chica disse...

Linda crônica e eu adoooooooooooooro palavras cruzadas e sempre tenho uma na bolsinha na praia, passeios ou salas de espera...

Confesso que já fiz muito mais antes pois hoje, ando sempre com meu bloquinho...


Vá que surja uma inspiração e se a véinha não anota,srrsr...abração,chica

Mari disse...

Nossa eu adoro palavras cruzadas, caça palavras e todos os derivados desta distração Cacá!
Bem lembrado...faz um tempinho que não faço!
Bom dia e beijo

Maria Emilia Xavier disse...

Vir aqui é ter sempre alguma coisa boa para lembrar, para aprender, para refletir...Hoje não foi diferente...Lembrei de meus pais, que eram viciadíssimos nesses livrinhos e só os dificílimos. Compraram até um enorme dicionário de sinônimos, mas só o utilizavam quando toda a sapiência - que não era pouca - acabava. E pode acreditar em suas pesquisas, pois mamãe foi embora com 85 anos em perfeita lucidez e meu pai aos 92, também, em perfeitíssima lucidez.
Estou levando um poema seu, pois hoje é a sua vez - o do Jogador e o Mineiro - Não tem título, me manda assim que puder? Hoje, tá?
Bjs.

Mariana disse...

Muito boa a leitura ,e eu sempre ouvi falara que palavras cruzadas faz mt bem para o cérebro.

gorettiguerreira disse...

Oi Cacá... vou nessa viu?
Adoro palavras cruzadas e melhor ainda se no meio do caminho temos sempre uma letra ou número que nos faz "sabidinhos" né...rs
Amei seu artigo como sempre.
Beijos de luz querido amigo.
Ps: Engraçado esse parentes quando se destacam deixam também uma certa distância Cacá.
Goretti Albuquerque

Celina disse...

OI AMIGO, BOA NOITE, SEMPRE GOSTEI DE PALVRAS CRUZADAS, QUANDO FICO DOENTE É O MEU PASSATEMPO PREFERIDO. UMA SEMANA DE MUITA PAZ,ABRAÇOS CELINA.

lis disse...

Também sou meio viciada Cacá.
Antes só fazia as que encontrava em jornais e revistas, hje já preciso comprar nas bancas mas sempre as mais fáceis rsrs
Gostei do texto amigo
uma linda sexta feira pra voce.
abraços

Web Statistics