terça-feira, 26 de julho de 2011

A VERDADE É SEU DOM DE ILUDIR?

Quantas vezes já não ouvimos debates e programas sobre o hábito humano de mentir! Até que ponto a mentira é necessária, um mal, um bem, uma fuga, uma diplomacia, uma falácia, um engodo? Ela faz parte do nosso convívio diário, muitas vezes confundida com omissão, com defesa, até mesmo usada como ataque ou achaque, intimidação. Depois de ter ouvido por duas vezes programas de rádio sobre o tema aqui tratado, resolvi procurá-lo na net e  encontrei. Trago a matéria na íntegra, bem como a fonte. * Se quiser deixar a sua opinião a respeito, vai ser legal.

Jornalista passa 40 dias sem mentir - e complica a vida


A cena é comum entre os casais que vão a lojas de roupas: a mulher, apertando a cintura, sai do provador e pergunta se está gorda. É uma questão simples ao cérebro masculino: caso queira manter a relação, a única resposta possível é um elogio que pareça natural. Mas em um shopping de Munique, ano passado, o jornalista alemão Jürgen Schmieder, 31 anos, contrariou as convenções. “Sua bunda parece muito grande”, respondeu para a esposa. Grosseria? Pode ser, mas com fundo científico.

Schmieder participava do desafio de ficar 40 dias sem contar mentiras para escrever uma grande reportagem sobre sua experiência para o jornal Süddeutsche Zeitung. “Eu estava desligando os filtros do meu cérebro e dizendo tudo o que passava pela minha cabeça”, diz. O resultado foi catastrófico. Além de dormir 7 noites no sofá, apanhou porque denunciou a “escapada” de um amigo, perdeu colegas por revelar quem achava incompetente e, isolado, quase entrou em depressão.


O jornalista comprovou um estudo de 1997 da Universidade da Califórnia do Sul, que afirmava que o ser humano mente, em média, 200 vezes ao dia. “A questão não é deixar ou não de mentir, mas sim de quantas mentiras precisamos”, diz Schmieder, que reuniu as experiências no livro Sincero (Record), lançamento no Brasil. Para ele, precisamos de 50 mentiras diárias, aquelas diplomáticas, feitas para incentivar as pessoas ou não ferir alguém, como quando se diz a um péssimo aluno de matemática que ele irá bem no teste de cálculo. Já as mentiras que contamos a nós mesmos para nos livrar de responsabilidades ou nos sentirmos superiores a outros devem ser descartadas. A longo prazo, diz Schmieder, elas fazem você tão solitário quanto quem só fala a verdade. Leia entrevista com o autor:
 
Qual foi a parte mais difícil no projeto?

A parte mais difícil foi ser honesto com minha mulher em cada aspecto da nossa vida diária. Quando ela veio até em casa do cabeleireiro, por exemplo, eu disse: “Não gostei do seu corte de cabelo!” Coisas como essa machucaram-na e fizeram com que eu dormisse 7 noites no sofá durante o projeto. Mas minha esposa e eu aprendemos que, sendo muito sinceros, não queremos ferir um ao outro e sim ajudar um ao outro. Agora estamos sendo completamente honestos e dizemos tudo. Às vezes outras pessoas pensam que somos malucos porque somos muito honestos um com outro. Mas nós estamos mais felizes e eu posso aconselhar todos os casais: seja sincero. Isso pode ser difícil no começo, mas a longo prazo os ajudará muito. 
 
Você costumava refletir antes de mentir? Isto é, quando se sentia tomado por um sentimento negativo, como frustração ou inveja, falava a verdade mesmo assim?

No período que antecedeu o projeto, sempre refleti antes de mentir. Pensava: “Como eu diria isso para essa pessoa? Quais palavras escolherei para outra pessoa não achar que estou mentindo?” Acho que é esse o motivo que fez Abraham Lincoln ter dito: “Não minto porque meu cérebro é muito pequeno para memorizar todas essas mentiras”. Quando comecei o projeto, eu estava basicamente desligando meu cérebro e dizendo tudo que passava pela minha cabeça. Quando eu me sentia frustrado, dizia para todos que estava frustrado. Quando eu invejava alguém, eu apenas dizia a eles. E quando eu pensava que outra pessoa era um imbecil, eu apenas dizia: “Ei, você é um imbecil!”.


Você diz no seu livro que há uma grande diferença entre ser sincero e dizer a verdade. Qual é?

A diferença é que a verdade é mais objetiva. Quando eu digo: “Espanha é a campeã mundial de futebol”, então isso é verdade, já que pode ser mensurado porque eles venceram a Copa do Mundo, um torneio. Ser sincero pode ser muito subjetivo e envolve julgamentos. Se eu disser “Ronaldinho é o melhor jogador de futebol do mundo”, posso estar sendo sincero pelo fato de eu pensar desse jeito. Mas outra pessoa pode dizer: “Não, o melhor é Lionel Messi”. Ele pode também estar sendo sincero. Mas qual é a verdade? Então, acho que ser sincero é muito mais fácil porque você precisa dizer apenas o que está em sua cabeça e qual é sua opinião. Dizer a verdade é mais difícil porque, na maioria das situações, podemos perguntar qual é a verdade, entrando numa discussão profunda. Acho que, para a sociedade, toda pessoa deveria tentar ser o mais sincero possível e também sempre almejar a verdade – porque somente se fizermos isso, nós podemos confiar um nos outros. E acho que confiar um no outro é uma das coisas mais importantes na sociedade.

Quais mentiras você ainda conta a outros? Poderia dar exemplos de algumas?

Parei de contar mentiras que poderiam machucar outras pessoas. Ainda digo mentiras que acho que ajudam outras pessoas. Quando um colega me dá um texto ruim, não digo a ele: “Esse texto é horrível”, mesmo que eu ache. Minto para ele e tento trabalhar com ele para tornar o texto melhor.

Quando as mentiras são boas e quando são terríveis?

Creio que mentiras são boas quando ninguém se fere e quando traz algo bom para uma pessoa. Um exemplo: minha sobrinha é péssima em matemática. Mas no dia anterior ao exame, eu disse a ela: “Você estudou um monte, está bem preparada e irá passar no teste!” Disse isso mesmo achando que ela fosse falhar. Mas contando essa mentira a ela para que se sentisse bem, confiante, talvez tenha sido determinante para ela ter passado no teste. Isso penso ser uma boa mentira. A mentira ruim é quando alguém sai ferido. Quando você vende seus carros usados sabendo que os freios não funcionam só para conseguir dinheiro extra, isso é uma mentira horrorosa. Você pode dizer a si mesmo: “ótimo, eu tenho dinheiro extra e agora posso comprar algo bom para minha esposa!” Mas pense sobre a outra pessoa envolvida, o comprador. Ele pode dirigir com seus três filhos sem saber do freio dos carros e ter um acidente terrível só porque você mentiu para ele. É uma mentira terrível.

O que você descobriu sobre você mesmo nessa experiência?

Descobri que eu dizia uma série de mentiras para outras pessoas que não eram necessárias. Também descobri que, num período curto, você pode ter uma vida melhor porque você mente um monte. Mas a longo prazo, acho que ser sincero é o melhor a se fazer porque pessoas confiam em você quando são sinceras com elas. Também percebi que não sou aquela pessoa perfeita que achei que era. Aprendi que tenho uma série de defeitos que eu preciso trabalhar neles. Eu fui sincero comigo e percebi: tenho que mudar.

Há mentiras essenciais para a sociedade?

Acho que algumas mentiras são essenciais porque nós estamos acostumados com o conceito de mentira. Nós todos mentimos 200 vezes por dia e somos enganados 200 vezes por outras pessoas. Acho que diplomacia é essencial para a sociedade. Bons elogios, ainda que não totalmente verdadeiros, não são coisas ruins. Mas nós realmente temos que pensar sobre as conseqüências de nossas mentiras.

Consegue imaginar como seria o mundo se todos os humanos fizessem como você e nunca mais mentissem? Como seria isso?

Acho que pelo fato de estarmos tão acostumados a mentir seria um cenário horrível. Pessoas odiariam umas as outras e brigariam também. Talvez haveria mais guerras. Só imagine se políticos fossem forçados para sempre dizer a verdade. Acho que teríamos uma grande guerra em poucos dias. Acho que a grande questão não é se devemos parar de mentir. A questão é quantas mentiras realmente precisamos. Durante meu projeto, descobri que não precisamos de mais de 50 por dia. E eu acredito mesmo que cada pessoa deveria tentar ser mais sincera.
Qual foi o episódio mais embaraçoso da jornada?

A situação mais embaraçosa foi quando um colega de trabalho me deu uma lista de questões como: “Quanto você ganha? Você acha que poderia ser o chefe da companhia?” E a mais embaraçosa questão: “Quem você demitiria se fosse o chefe?” Respondi cada questão honestamente – e então o colega copiou minhas respostas para toda a companhia. Agora todo mundo sabe o meu salário, o que eu penso dos outros e quem eu demitiria. É muito constrangedor olhar nos olhos dessas pessoas.


Já mentiu para um entrevistador?

Sim, uma vez. Conheci um entrevistador que eu não gostava muito – mas ele trabalhava para um jornal famoso, então eu disse: “Muito bom conhecer você!” Mas nessa entrevista, eu não gostei de nada!
 ____________________________________________________
Fonte:

36 comentários:

Ma Ferreira disse...

Peco desculpas pela falta de acento nesta minha escrita.
Eu nao sei como colocar neste note...rs

Mas e bem polemico este seu tema de postagem.

Sera que toda mentira e considerada mentira, de verdade? ou o conceito e unico, sem negociacao.
Existem as mentiras gentis..aquelas que sao para elevar..
para nao magoar...
Sera que ausencia de verdade e necessariamente mentira???
O proprio conceito de verdade e relativo..
entao de mentira tb deve ser.

Mas o importante e que as pequenas mentiras ditas no dia a dia nao se transformem em falta de carater.

Bj..

Vi vc em blog de amigos..dai vim conhecer seu espaco..gostei..voltarei..
bj
Ma

Diogo Didier disse...

Legal Cacá! Lembro-me q vc deixou o link desse texto no meu blog e eu, rapidamente fui ver do q se tratava. Realmente, o autor e cobaia desse teste deve ter sofrido muito para falar a verdade em todas as circunstâncias possíveis.

De fato, para o ser humano de hj falar a verdade ñ é uma tarefa fácil. Isto por que vivemos na primazia da esteriotização de vida, do caráter rotulado, das verdades mascaradas, ou seja, num cenário onde o ilusório dita as suas regras.

Então, para ñ fugir dos padrões, entramos nessa de dizer uma mentirinha aqui outra ali, e a bola de neve vai crescendo ao ponto de se tornar uma avalanche de mentiras.

Boa reflexão, como sempre!

bjoxxxxxxxxxxxx querido!

LUCONI disse...

Olá Cacá, um texto muito interessante, mentira, verdade, difícil sermos totalmente sinceros, às vezes até para nós mesmos mentimos, ou então perdemos a noção do que somos. Difícil hoje em dia encontrarmos pessoas que independente da situação e com quem estão falando, falam totalmente a verdade.
Eu procuro fazer, sou ariana, falo não aguento, mas olha é difícil a maioria não entende não, beijos Luconi

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

estou louco pra ler o livro dele rs. mas sim, é complicado! porque num ponto tb precisamos notar o que é "verdade". nem sempre o que considero verdade é uma "verdade", posso dizer que vc é medíocre ou maravilhoso, mas tudo é minha verdade, meu jeito de ver e sentir. que complicado...

e tem o jeito de se falar uma verdade. mas ...se florear a verdade, ela vira mentira? q loucura rs.

o chato é que tem gente que vive de mentira, o tempo todo. de si, dos outros...

assunto que rende!

bom dia

T h i a g o MORET disse...

hahahahaha...mt bom post cacá! que coisa inusitada essa do repórter ficar 40 dias sem mentir...dá para refletir bastante sobre o tema...mas enfim, acho a verdade tão relativa quanto o tempo de einstein...rs...e como foi dito por um grande homem...conhecereis a verdade e a verdade vos libertará...será verdade? rs...abcs cacá!

Josi Passarelli disse...

Oiii Cacá, muito obrigada pela dica do livro.
Sobre o meu ultimo post, não quero fazer propaganda, mas se precisar de um vídeo em evento muito importante, entre em contato comigo, que terei um prazer enorme em atende-lo.
Super beijo
jpmulheresnainformatica.blogspot.com

Mel Braga disse...

Querido Cacá...

Ler vc é sempre um grande prazer!!!
e isso é uma VERDADE INCONTESTAVEL!!!
pelo menos pra mim!!!rsss

Olha Cacá... não gosto de mentiras... aliás, já risquei pessoas da minha vida por esse motivo...
A gente sabe que para cada saia justa existe um jeitinho de sair... será que é realmente necessário mentir??? (enfim...cada um sabe de si)


Podemos dizer o que pensamos sem precisar mentir...
Existem muitas formas, o ser humano é que infelizmente pouco se preocupa em encontrar caminhos para não magoar o outro...

Podemos ser sinceros, sem necessariamente sermos cruéis...
Ja conheci pessoas que fingiam tão bem, mentiam com tanta habilidade, que eram capazes de convencer inumeras pessoas sem fazer muito esforço...
O ser humano adora palavras doces e se contenta com qq gesto de carinho... daí para a confiança é só um pulinho...

Mas, com o tempo a gente aprende a separar o joio do trigo... e as mentiras vem à tona...
Vc vai puxando um fiozinho e descobre muito mais do que um novelo...

Gosto de pessoas sinceras e verdadeiras...
É óbvio que não podemos rotular por uma ou outra coisinha... mas, é muito complicado quem torna a mentira sua tabua de salvação...

Eu costumo dizer que as pessoas devem ter a elegancia para entrar e sair da vida de alguém...
Mas, dependendo do comportamento de algumas delas a gente sai da vida à francesa... sem sequer olhar para trás...

É aquele tal negocio...
Tem gente que faz de conta que é... e outros fingem que acreditam...rsss

Mas, eu ainda prefiro a verdade...rss

Helena Frenzel disse...

Oi Cacá, adorei esta postagem e estou comentando sem ter lido os outros comentários para não correr o risco de querer 'diplomaciar' minha opinião. Finalmente alguém expôs bonitinho a diferença entre tentar ser sincero e dizer a verdade. Por a qui as pessoas costumam ser mais sinceras e eu valorizo muito isto. Quando me relaciono com brasileiros ou povos primos, por questões culturais, tenho a sensação de sempre ter que estar 'freando' a língua, pisando em ovos, pois as pessoas não costumam receber bem sinceras opiniões. Como nem sempre funciona a censura da língua, acho que não sou considerada lá muito 'popular'. Por outro lado, sou muito mais feliz e sei que quem me conhece confia, pois sabe que, ao dar uma opinião, doa a quem doer, peso mais a sinceridade aplicada com empatia do que a mentira diplomática para agradar. É isso aí, nota dez este post! Inté!

Beth/Lilás disse...

Bom dia, Cacá!
Eu acho que mentira, daquelas tenebrosas, que fazem o mal, derrubam gente, essas, são absurdas, detesto gente assim e não costumo perdoar.
Mas, como diz no texto, muito bom por sinal, todos mentimos, até pra nós mesmos. É uma coisa de humanos mesmo.
beijão carioca

Anne Lieri disse...

Cacá,realmente existem mentiras sociais,como essa da esposa que cortou o cabelo...rsss...dependendo pode dar divórcio!...rss...Excelente e muito divertida essa cronica!Esse jornalista foi corajoso!Obrigada por me enviar seu texto!Assim que postar te aviso!bJS,

Anne Lieri disse...

Cacá,realmente existem mentiras sociais,como essa da esposa que cortou o cabelo...rsss...dependendo pode dar divórcio!...rss...Excelente e muito divertida essa cronica!Esse jornalista foi corajoso!Obrigada por me enviar seu texto!Assim que postar te aviso!bJS,

Rô... disse...

oi Cacá,

bela postagem,
a mentira é sempre um mistério,
nunca sabemos se é necessária,
obrigatória,
ou forçada,
mas ainda prefiro a sinceridade,
acho mais fácil de lidar,
mas foi um espetacular trabalho do repórter...

beijinhos

Tais Luso de Carvalho disse...

Pois é, que texto ótimo, Cacá. Não mentir, falar sempre a verdade pode nos trazer grandes aborrecimentos. Penso que podemos omitir e dar opinião sincera quando formos questionados. Porém chegar para alguém, sem mais e sem menos e dizer que seu cabelo está horrível, é sarna pra se coçar! É intromissão pura e burra. A arte da palavra é espetacular. Com ela podemos fazer horrores como também belas amizades. A palavra é a pior das armas. É destrutiva e corre mundos. Por que não omitir?
Este texto é excelente porque mostra alternativa de ser mais cauteloso, de não magoar quando não precisa; de em nome da verdade não sair feito louco ofendendo as pessoas. Sou, antes de tudo, a favor da paz. E para obtê-la, não dá pra sair por aí e sermos tão autênticos em nome de uma verdade que nem sempre é a nossa. A nossa é apenas uma opinião. Aliás, como tantas outras.

Um beijo, amigo.
Tais Luso

Renata Diniz disse...

Acho que quase toda a gente se vê ataviada ao gosto dos "jeitinhos". Menos eu, e ninguém me tira da cisma a verdade. É o melhor caminho, ainda que seja dita através do silêncio. Abraços, Cacá!

Toninhobira disse...

Legal este texto Zé, longo mas muito interessante sobre a mentira.Assustei com os numeros e as resposta acidas.Sempre pensei que muita sinceridade é uma forma de falta de educação,mas seria bom se poudessem sempre estar de frente para a verdade, mas somos feitos da mentiras as que nao ferem, as que nao machucam e assim nos perdemos nos meio delas e acabamos neste mar de mentiras.
Olha estou dizendo a verdade,viu?
Um abração amigo.

Jaime Guimarães disse...

"Nós todos mentimos 200 vezes por dia e somos enganados 200 vezes por outras pessoas."

É porque o jornalista alemão e os pesquisadores da Califórnia não conhecem um certo Caõgresso Nacional. Ali dentro aqueles 513 nobres representantes eleitos pelo voto direto mentem 200 vezes por minuto.

Ó, Cacá, eu queria ver um experimento desses com 513 deputados lá do Cãogresso, isso seria muito melhor que o Big Brother!

Tem um filme com aquele Jim Carrey em que ele passa uns dias sem mentir. Já passou na TV sei lá quantas vezes, é engraçadinho até.

Como a mentira está "impregnada" no ser humano, não é? E mesmo sem querer caímos no hábito. Ora, quantas vezes o "isso não que faz mal" das mães e avós não era verdade? rs

Há mentiras e MENTIRAS. Desde as mais descaradas até às mais leves ou quase "inofensivas" ( isso de mentirinha leve pode virar um negócio sério rs). E também há melindres demais atualmente por se falar a verdade - gozado, as pessoas pedem "seja sincero, odeio mentiras!" mas quando somos sinceros muitas vezes as pessoas não gostam. Vá entender.

Então o jeito é tentar agir com mais "diplomacia", se isso é possível. Eu acho que é, mesmo que possamos cair em tentação às vezes e arriscar a dormir no sofá.

Abs!

Ma Ferreira disse...

Caca..
Fiquei muito feliz com sua presenca e simpatico cometario em meu blog.
Sinto que seremos amigos, ja somos.
Dia de paz a vc!

Bj

MA

Catia Bosso disse...

Caríssimo, (escritor lindo!!!!)
uma mentirinha é algo tão necessária no dia a dia quanto a necessidade de ver um filho sorrir... seja omissão, engodo, fuga... o que vale é não ferir ninguém, muito menos machucar... Belo texto...

bjs meus de um dia bom

Catita

Yasmine Lemos disse...

também tenho o cd é maravilhoso. Gadú nasceu pronta !
bom dia Cacá
abração

Yasmine Lemos disse...

também tenho o cd é maravilhoso. Gadú nasceu pronta !
bom dia Cacá
abração

Celina disse...

Cacá bom dia, gostei da tua cronica, ela pode ser comentada de diversas formas. Eu compreendo assim a pessoa não pode ser inteiramente sincero, as vezes a verdade derruba uma pessoa, essa do marido acho falta de respeito até de caridade, apontar os defeitos dos outros, aquilo que não gostariámos que fizessem conosco. O meu casamento deu certo, devido o respeito que havia ente nós, eramos sinceros sim quando eu não gostava de algo comentava com carinho, e ele era superior a mim, eu estava sempre linda para ele,isso é uma mentira adoravel que todos gostam
Um abraço verdadeiro. celina.

Mariazita disse...

Boa tarde, Cacá
É comum englobar no termo "mentira" toda a inverdade.
No entanto, mentir pode ser necessário, aconselhável, imperioso, até. Depende das circunstâncias em que se mente.
Não é, em meu entender, condenável toda a mentira. Pois se até há mentiras piedosas... :)
Acredito que entre um casal possa resultar bem falar apenas a verdade, mas isso deve requerer muito trabalho e afinco :)
E até se atingir a perfeição... vai haver muita complicação :)))

Uma semana feliz. Beijinhos

Lilian disse...

Pois então Cacá, concordo que o central é descobrir quantas mentiras precisamos dizer ao longo de um dia. Saber o equilíbrio e a sensatez é um grande exercício para mantermos e conquistarmos amizades. Sinceridade não precisa rimar com falta de delicadeza, nè?
Bjos.

Lilian disse...

Pois então Cacá, concordo que o central é descobrir quantas mentiras precisamos dizer ao longo de um dia. Saber o equilíbrio e a sensatez é um grande exercício para mantermos e conquistarmos amizades. Sinceridade não precisa rimar com falta de delicadeza, nè?
Bjos.

MARILENE disse...

Poso imaginar todos os tormentos íntimos pelos quais passou. Até me lembrei de um filme (comédia) em que o personagem principal foi atacado pelo "vírus" da verdade .
Ninguém consegue dizer verdades durante toda a vida, sem qualquer ato de camuflar. Algumas até possuem uma intenção nobre. Sou humana, erro. Por mais que ame a verdade, nem sempre me sinto preparada para dizê-la.

Bjs. Fiquei muito feliz por ter encontrado o caminho do meu canto, pois tive a oportunidade de conhecer o seu (ISSO É VERDADE (rss)) .

AFRICA EM POESIA disse...

Cacá



Dia das avós é dia de Amor...

e foi mesmo,Ontem, Hoje e será também Amanhã...




Hoje é dias dos avós.
Mas... amanhã...
Depois de amanhã...
E sempre...
É dia dos avós...
... Do mimo...
... Da ternura...
... Do carinho...
... Do estar...
... E de poder transmitir...
... A força...
... E a confiança...

Eu sou avó...
Todos os dias...
E é tão bom...
Poder sentir...
Essa confiança!...

LILI LARANJO

C. disse...

A verdade é que encontramos mais pessoas preparadas pra ouvir mentiras, que verdades, meu amigo.
Acabei de viver isso recentemente, e as pessoas em questão simplesmente nao suportaram a verdade.
Isso quer dizer que, seguirei minha vida mentindo? Complicado, né!
Acho se nos preparássemos mais pra ouvir menos mentiras, toda a verdade viria à tona.

Achei super interessante a experiência do jornalista em nao mentir por 40 dias, devíamos fazer isso também, e cada um contar como foi, seria interessante. Os maus casados com certeza se divorciariam kkk

Cadinho RoCo disse...

A mentira é componente que faz parte da natureza humana. É mesmo atitude de sobrevivência.
Cadinho RoCo

Eva disse...

Cacá querido, eu adorei essa reportagem, que maravilha, eu concordei em muitas coisas com o entrevistado, achei que esses 40 dias o ajudaram muito a evoluir, acho que a sinceridade exige confiança no interlocutor, olho no olho e tranquilidade, a gente cresce na troca, aceitar a impressão do outro nos tira do nosso mundinho limitado, mas o outro também precisa não querer ferir e apenas ser sincero, não acho que sinceridade ofenda, não é preciso dizer está horrível, mas simplesmente dizer não gostei por isso e isso, mas pode melhorar, se alguém me pergunta se está gorda, eu devolvo a pergunta, porque você está se sentindo assim? porque tem gente que não é gorda mas se sente assim, quem é gorda, não pergunta, ehe,uma bela resposta também, eheh, eu amei o post, beijos.

Aleatoriamente disse...

Cacá, este texto é uma grandeza!
A gente vai lendo, lendo e tudo fica tão tocável.
A mentira.
Não gosto dela, mas percebo que ela faz muita diferença em determinado momento, se usada para o bem de alguém.
Uma vez uma pessoa que conhecia e por quem tinha um carinho enorme, estava gravemente doente, e ela perguntou para mim se iria ficar bem outra vez.
Não sabia mesmo o que dizer, tive medo de descrever a ela a verdade, então falei que tudo iria ficar bem.
Fiquei muito mal com aquilo chorei muito, foi um desastre interior para mim, ter mentido.
Mas foi preciso naquele momento e eu menti.
Contudo fico ainda com a verdade, não precisamos ser grosseiros ao falar a verdade, basta apenas falar com delicadeza.
Mas em caso extremo, sou a favor, se for para o bem estar do outro.
*
Beijinho amado.

pensandoemfamilia disse...

É um tema interessante e polêmico,até porque muitas das verdades são subjetivas. Eu não gosto de mentiras e penso mesmo que "têm pernas curtas".
Sei que por sinceridade demais acabei tendo algumas pessoas que não gostam de mim. Mas, realmente, também consideroas mentiras fazem parte do ser humano, pois consequimos mentir para nós mesmos.Não sei se todas são tão conscientes.
bjs

Vera Lúcia disse...

Olá, Cacá.
Bem interessante o tema.
Confesso que vejo a sinceridade, em certos casos, como grosseria, e, em nome da boa convivência, prefiro omitir um conceito real.
Vale citar aquele conceito que reza
que franqueza em excesso é falta de educação.
Uma mentirinha que não prejudica ou uma omissão da verdade que vai beneficiar entendo que sempre será bem vinda.
Certo é que não estamos preparados para encarar a sinceridade e a verdade sempre.
Prefiro que sejam sinceros e verdadeiros para comigo, pois somente assim terei oportunidade de fazer correções ou mudar posturas.
Abração.

Lúcia Soares disse...

Uai, Cacá! Tô boba! Será que precisamos mentir mesmo, tantas vezes assim num só dia? Sinceramente, acho que não minot, não...
Não falar o que pode ofender a alguém não é mentir.
Falar o que que pessoa não quer, ou não precisa ouvir, não é mentir.
Mas ser crua, "curta e grossa" em qualquer resposta, aí é duro mesmo...
Pra se viver em sociedade a mentira é necessária, infelizmente.
Mas não me agrada, não...
De uma coisa esteja certo: jamais minto em algo que possa me comprometer, pois morreria de vergonha, se descoberta.
Prefiro omitir, mas não mentir.

Web Statistics