quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

DEMITIDO DUAS VEZES

A NOTÍCIA
Cochilar revigora energias e aumenta produtividade
Churchill defendia o cochilo no meio tarde. "É uma maneira de ter dois dias em um", afirmava. Bill Clinton, Lance Armstrong, Napoleão Bonaparte, Einstein e Leonardo da Vinci também sempre apoiaram o descanso vespertino. A Toyota no Japão instituiu a prática como obrigatória. Além de ter funcionários mais motivados, a direção diz que economiza dinheiro, já que as luzes da fábrica são apagadas no período.Já foi-se o tempo em que dormir no serviço era sinônimo de gente preguiçosa e sem pique para trabalhar. Tradição em muitos países, especialmente os latinos e na Espanha, a siesta começa a vencer preconceitos e ser levada a sério pelos brasileiros. Isso porque tirar de 10 a 40 minutos para uma cochiladinha pós-almoço revigora o cérebro, desperta a atenção e prepara a pessoa para o "segundo round" no exaustivo dia de trabalho. E a boa notícia é que, excetuando os casos de insônia crônica, não afeta o sono noturno.

---------------------------------------------------------------------------------------------
Fonte:
http://beleza.terra.com.br- 12/08/09
---------------------------------------------------------------------------------------------

A CRÔNICA
Eu adquiri uma hérnia de disco na coluna e alguns médicos independentes me disseram que foi proveniente de esforços repetitivos e excesso de peso mal administrado pela cabeça na hora de comandar o corpo na forma de carregar as coisas, de abaixar, sentar e por ai. Só os médicos da empresa onde eu trabalhava disseram que era inato, sem nenhum exame. Pesquisei e nunca vi em literatura médica alguém afirmar que isso é hereditário. Tudo bem. Pode ser defeito de fabricação Já está instalada e não há reparação que me anime a operar. Já vi gente muito mais nova que eu ficar aleijada para sempre. A cirurgia é uma espécie de jogo de azar. Desde que você conte, inclusive, com uma equipe com tanta sorte quanto talento profissional, a cura dura por volta de seis a sete anos. Depois o problema volta.
Nos últimos tempos antes de me aposentar, as dores estavam se tornando um martírio, a ponto de algumas vezes necessitar de uma muleta para auxiliar na locomoção. Um médico me fez uma recomendação terapêutica para não precisar de me afastar do trabalho
- Quando sentir dores demais, deite-se no chão duro por uns dez ou quinze minutos e fique bem quieto até a dor passar. Depois pode voltar às suas atividades. Isso deve acontecer com você pelo menos uma vez por semana, dependendo de sua atividade. Além disso, tome os relaxantes musculares e antiinflamatórios direitinho.
Acontece que eu era dirigente sindical nesta época e não gozava de muito prestígio junto aos chefes. E eles eram loucos para conseguir um pretexto inquestionável para me aplicarem uma demissão por justa causa. Tinha motivo melhor do que esse? Ser apanhado deitado em pleno horário de produção? Ainda lembro que a produção na mina onde trabalhava acontecia em todas as 24 horas de todos os dias de todos os anos, desde 1942.
Pois aconteceu de ser acometido por uma queimação na região lombar como se o local estivesse sendo atingido por uma labareda, de tanto ardor que a dor provoca. Segui a receita do doutor e me deitei um pouco no chão da sala. Acresce que cochilei (dizem que a intensidade da dor provoca uma injeção natural de alguma substância anestesiante). E algum dos chefes entrou nesse intervalo e me demitiu duas vezes. Uma pela satisfação pessoal e outra pela desídia, segundo suas próprias palavras.
Como a demissão por justa causa de trabalhadores estáveis necessita de processo administrativo ou judicial para provar que houve falta grave, tive que arrolar o médico como minha testemunha de defesa e o juiz que me absolveu e mandou me reintegrar ao trabalho deu foi muitas gargalhadas com o inusitado do caso. Mesmo assim fiquei cabreiro demais com esse negócio de cochilo se eu não estiver no chão da minha própria casa.

2 comentários:

Adh2bs disse...

Bom dia, parceiro!
Pois é, espero que vc esteja bem de saúde, que o problema não te incomode muito. Sempre tive vontade de cochilar por alguns minutos após o almoço, mas nunca me animei, a não ser em casa... No serviço pode ser mais "prejudicial à saúde" do que não cochilar... :-) :-) :-)
Abç,
Adh

Miriam de Sales Oliveira disse...

Kaká,a siesta é obrigatória na Espanha.Nada funciona.
Então,vc foi dirigente sindical!? minino qualquer dia chegas a presidente,,,
Bença meu padin' rsss bjks

Web Statistics