quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

UM APAGÃO

O desastre foi como um terremoto vindo de fora para dentro. A terra não tremeu em seu interior, foi uma espécie de desalinhamento orbital que gerou uma sacudidela muito leve. Mas o suficiente para desorganizar toda a vida da superfície. E o primeiro efeito e o mais visível, paradoxalmente, foi a falta de energia. Apagam-se todas as luzes, as transmissões de televisão, rádio e internet. Não há noticias as não ser pelos velhos radinhos de pilha, mesmo assim daquelas emissoras cujos geradores movidos a combustível funcionam. Dá para se ter algumas noticias localizadas. Um apagão geral.

As imagens voltaram a ser mentais norteando os desejos e vontades de todo mundo. O que é visto é cobiçado mais do que qualquer outra sensação humana. As pessoas não estão acostumadas a formar, a idealizar a partir de imagens mentais. A leitura dos olhos é que guiou desde sempre os anseios. Então, todo mundo novamente teve que reaprender, assim como as crianças antigamente iam vendo o mundo e perguntando os porquês. A visão é dos nossos sentidos, o que mais imediatamente nos privilegiou para a contemplação das coisas. O bombardeio de imagens feitas pelo homem fora do mundo da arte nos turva, nos agride, nos ceifa a capacidade contemplativa. Provoca uma espécie de dormência fazendo o tato e a audição suplantarem o nosso estro criativo. Tudo o que se nos mostra é para aguçar o desejo de possuir a coisa mostrada, ou o que estiver por detrás dessa coisa mostrada.

Um cenário de apaziguamento é o que se vê por todos os lados por causa da necessidade que uns passam a ter dos outros. E então os olhares se voltam de pessoa para pessoa. Quantos diálogos olho no olho! Quanta gente reunida em esquinas e ajudando-se mutuamente. Diminuem-se as desavenças, diminui a indiferença, aumenta o potencial humano de todo mundo, pelo menos até voltarem as luzes que devolveriam a artificialidade ao mundo encantado de sons, imagens, anúncios luminosos, dos comerciais, dos vídeos, do sonho dos computadores.  Downloads mentais eram tudo o que estava ao alcance da criação humana. A cópia, por outro lado, não estava ao alcance, que bom! Se nada se criava, nada também se copiava. Mas tudo se transformava. A propaganda toda voltava a ser cinza e com voz chamativa por detrás. Quem queria vender tinha que escrever em papel e usar a fala direta no convencimento. Quem queria se mostrar, tinha que desfilar aos olhos individuais para ser submetido ao crivo dos gostos agora não tão uniformes, não tão manipulados para a formação de um senso comum.

Então, embora as coisas não pudessem voltar a um primitivismo de ralações, adquiriram  um primitivismo de não sujeição. Uma relativa horizontalidade nas relações. Pelo menos até voltar a energia que nos conduz ao que nos coloca limites. É como se voltassem todos a ser crianças, porém sem adultos que desvirtuassem sua imaginação e fantasia de observadora e portanto, de criadora de sua própria realidade. É incrível como somos guiados pela sistemática das recompensas. Como passou todo mundo a depender de todo mundo, deu para sentir uma demasiada mostra de humanidade no ser humano. A luz do dia e a penumbra mal iluminada pelas velas, lanternas e faróis devolveram ao homem a capacidade contemplativa. Com ela veio de volta a tolerância, os significados passaram de objeto para não-coisa, gente.
Uma pena que a luz foi restabelecida às vésperas do Natal

19 comentários:

Chica disse...

Que a luz interior prevaleça...
Lindo texto,Cacá!

Que tenhas um lindo, iluminado e cheio de amor NATAL! abração,tudo de bom,chica e neno

Celina disse...

Oi Cacá lí a sua crõnica, achei o máximo, vc é um cronista muito bom sabe jogar com as palavras, nesta crõnica, vc mostrou a sua criatividade, parabens amigo. Agradeço a visita e o comentário. Um abraço carinhoso e Um Natal de Paz e Saúde, Para vc e familia. Celina.

HSLO disse...

Você é fantástico!
Te desejo um Feliz Natal cheio de paz e alegria.

abraços
de luz e paz

Betha Mendes disse...

É triste saber que, só em determinadas situações,lembramos mais intensamente da existência dos outros.
Precisamos nos privar para sermos humanos? Uma ótima reflexão o seu texto, Cacá!

abç

Betha

pensandoemfamilia disse...

Que lindo,acompanhei passo a passo esta deslumbrante escuridão que nos daria o olhar singelo das descobertas pessoais.

Uni ver sos disse...

Ah, meu amigo, quem nos dera essa benção!!
Entrei completamente dentro e me vi como personagem de um filme surreal,
e pensar que na na infância ainda pude sentir um pouco disso,
Coisa linda de inspiração,

Agradeço por sua companhia durante este inesquecível ano, e torcendo para que em 2011 nossos laços sejam ainda mais fortelecidos pela fraternidade,

Boas Festas, querido amigo!

Lis disse...

Oi Cacá
Percebes que todas as coisas contribuem para o bem ou para o mal... rs
um apagão e eis que funcionamos com os sentidos tão em desuso!
Um dia de Natal assim faria bem a todos !
Grande amigo Cacá parabéns pela capacidade de nos fazer enxergar beleza onde nao imaginávamos! obrigada pela amizade ,pelo carinho com a palavras
Um Natal feliz , nos vemos depois
abraços

Lua Nova disse...

Você assistiu uma peça chamada "Classe média, televisão quebrada"?
Pois é, é a história de uma família que, sem televisão, é obrigada a conversar e descobrem mil coisas um do outro. Viviam sob o mesmo teto e não conversavam, viviam isolados, cada um em seu mundo.
Hoje as pessoas vivem mesmo assim, distante dos seus instintos, sem exercitar seus sentidos, ligadas aos computadores e ipods, ipads e iphones, isolados e restritos.
Tem razão, que pena.
Cacá, te desejo um Natal muito feliz e um 2011 feito na medida dos teus sonhos. Tomara que vc publique outro livro.
Beijokas.

Diogo Didier disse...

Cacá, meu querido, mais um texto brilhante entre tantos que abrilhantaram os nossos olhos durante esse ano.

PARABÉNS pelo blog que, na minha opinião, é um dos melhores que há na net. E isso não é bajulação, pelo contrário, são palavras sinceras de um seguidor que te admira muito!

Por isso, desejo que seu NATAL deja MAGNIFICO e que 2011 vc continue a nos encantar com as suas palavras.

bjoxxxxxxxxxxxxxx e FELIZ NATAL!

Norma de Souza Lopes disse...

Me lembrou o Saramago em " Ensaio sobre a cegueira"
Muito bom
Um Abraço
Norma

Maria disse...

Amigo mais um texto excelente.
Hoje vim agradecer a sua gentil mensagem de parabéns, todo o seu carinho e a sua presença sempre constante no meu humilde cantinho, o que muito me honra e deixa feliz. Que o seu Natal seja iluminado por Deus, seja pleno de amor, saúde, alegria e paz e que 2011 lhe traga tudo o que mais desejar.
Beijinhos e um abraço bem apertadinho da amiga do outro lado do Atlântico
Maria

Helena Frenzel disse...

Li ontem, reli hoje e agora deixo comentário. Este seu texto me transmitiu uma certa angústia, talvez espelhe uma velha inquietação conhecida por muitos de nós, principalmente por quem escreve. Também me remete a textos que nos mostram que a humanidade só é humana mesmo em situações de emergência, depois é cada um por sí. Encontrei alguns "deslizes" gramaticais durante a leitura, detalhes que podem ser facilmente detectados após uma atenta revisão. Bom, mas não foi pra falar de errinhos que vim aqui hoje, só aproveitei a oportunidade pra tornar meu comentário mais útil. O que eu vim mesmo fazer aqui foi desejar a você e sua família um Feliz Natal e um ano novo novinho, cheio de energias e sucesso nos projetos! Grata pela companhia, um abraço fraterno!

trezende disse...

Cacá,
com ou sem apagão, só passando pra te desejar um feliz Natal e um ótimo 2011.
Abs,
Tati.

Renata Diniz disse...

Olá Cacá. Muita criatividade que desperta a curiosidade de ler até o fim. Boas festas para você e os seus. Abraços.

Sam disse...

Cacá,

Estou visitando meus amigos e oferecendo meu sincero presente de amor.

Todos os dias improviso uma oração sincera: As mãos de Deus de um tamanho que me caiba.

Ao iniciar esta jornada, peço a tua proteção.
Volta teus olhos pra o caminho que ora vou trilhar, estendendo a tua proteção sobre todos os meus passos.
Ilumina a minha estrada pois, sempre que estás comigo, sou forte e capaz de suportar as lições que me destinas.
Orienta as decisões que deverei tomar.
Acompanha-me e certifica-me de que estarei indo ao encontro das minhas melhores opções.
Faz com que minha jornada tenha sucesso, Senhor.
Livra-me dos perigos, dos acidentes e de qualquer situação que me impeça de construir a minha felicidade.
Governa as minhas ações e o comportamento daqueles que podem influenciar o meu destino.
Dirige a tua luz divina para este filho teu que ora com fervor e é motivado pelo teu amor.
Que assim seja, para sempre. Amém!!!

(Oração inspirada no Salmo de Davi)

Meu desejo à todos os meus queridos, de um Feliz Natal! Esqueçamos um pouco os presentes, o consumismo e estejamos mais P.R.E.S.E.N.T.E.S., de alma e coração.

Beijo na alma.

Abraços, flores e estrelas...

Bruno disse...

Sei bem o que é isso. Ontem fiquei sem luz das 20hs às 23hs.
Belo texto Cacá!!!
Espero você e seus leitores no meu blog http://visaodeumburrachosolitario.blogspot.com/
Abrax. Inté.

Web Statistics